América

Segunda viagem a Nova York: Soho, Chinatown e o topo da rocha

Vkontakte
Pinterest




Dia 6. Último dia inteiro passaríamos na cidade. Naquela manhã, tínhamos reservado o Soho para ver as lojas. No café da manhã, queríamos fazer algo especial, íamos ao Balthazar, um lugar da moda e onde nos recomendavam tomar café da manhã ou tomar um brunch. É preciso dizer que o Balthazar é um daqueles lugares onde eles informam quando você entra:

-Por favor, deixe seu rim em uma caixa antes de ir para a sua mesa, obrigado.

Tomando café da manhã no Balthazar

É muito caro, pelo menos pelo que considero que uma omelete deve valer, mas antes de reclamar sobre o preço, vamos falar sobre o local. O restaurante é a cafeteria típica ou brasserie parisiense que, para os americanos, é a suprema do chique, mas mesmo para copiar tudo de ruim disso: pequenas mesas tão perto do vizinho que você pode participar da conversa dessas e desconfortáveis ​​cadeiras de madeira. A propósito, nossa mesa estava mancando e eles não vieram consertá-la até quase derramar meio suco. Pedi uma omelete de queijo (sei que tinha dito que não voltaria a comer ovos, mas naquele dia era a refinaria), com torradas e suco de laranja. Aliás, os sucos de laranja "naturais" são chamados de suco de oranje fresco, mas para mim o que se refere ao refrigerante é fresco, porque nem mesmo no Balthazar o colocam espremido na hora. O serviço muito atencioso, mas a comida também foi nada de excepcional. A tortilla estava boa, mas as batatas estavam superaquecidas. De qualquer forma, depois de pagar US $ 30 por barba para comer ovos, deixamos um pouco de mosca.

Para mim, começamos o dia muito mal, porque tenho que dizer que o Soho me decepcionou muito. Sim, é muito bonito, todas as lojas são muito fashion, mas você não pode comprar nada e a verdade é que tanto pijerío começou a me dar colmeias. Às vezes, Gemma e eu apostamos quanto algo na vitrine poderia custar (ela diz 150 e I 350) e secretamente entramos para ver o que valia:

Bem, havia 800!
Esse é outro nível.


Uma das lojas que visitamos no Soho foi o Rio das Pérolas, que é uma grande loja chinesa quase na fronteira entre Soho e Chinatown. A loja é super boa e você pode encontrar coisas da China e do Japão. Outra das lojas que visitamos foi o armazém de roupas, uma loja que possuía coisas novas e usadas que eram muito boas. Além disso, os funcionários eram muito legais e conversávamos com eles por um tempo, sobre o clima (topicazo para iniciar uma conversa) e que quase todo mundo quando vão a Nova York nunca sai de Manhattan. Eles nos parabenizaram por visitar tantas coisas fora da ilha e fomos visitar Chinatown e Little Italy.

Interior da loja de Pearl River.

Sobre Chinatown, pouco mais a dizer do que não foi dito em outras entradas, e sobre Little Italy, a verdade é que gostei mais da primeira vez que fui. Gostei muito da atmosfera das ruas, lojas e cores. Embora Little Italy esteja cada vez mais "pequena" por que Chinatown está comendo.

Passeando por Little Italy

Andamos pelas ruas até chegarmos ao Whole Food Market, um supermercado de comida "saudável" que também tinha uma lanchonete com mesas e cadeiras para sentar e comer o que foi comprado. Enquanto comemos um purê de legumes, chegamos à conclusão de que vimos muito poucos supermercados na cidade. Delis, muito, mas supermercados com alimentos frescos, muito poucos. Ao retornar a Barcelona, ​​Sarah, minha profana em inglês, me explicou que ela lia um artigo sobre o assunto e que estava passando pelo alto preço dos aluguéis das instalações em Manhattan.

Vídeo: 10 Lugares Maravilhosos Para Ver Na Nova York (Fevereiro 2020).

Vkontakte
Pinterest